[ editar artigo]

A diferença entre gerenciamento e liderança

A diferença entre gerenciamento e liderança

Gerenciamento tem a ver com como lidar com a complexidade. Suas práticas e procedimentos são em grande parte uma resposta a um dos desenvolvimentos mais significativos do século XX: o surgimento de grandes organizações. Sem uma boa administração, empresas complexas tendem a se tornar caóticas de maneiras que ameaçam sua própria existência. A boa gestão confere um grau de ordem e consistência a dimensões-chave, como a qualidade e a lucratividade dos produtos.

A liderança, por sua vez, trata de lidar com a mudança. Parte do motivo pela qual ela se tornou tão importante nos últimos anos é que o mundo dos negócios se tornou mais competitivo e mais volátil. Mudança tecnológica mais rápida, maior competição internacional, a desregulamentação dos mercados, excesso de capacidade em indústrias de capital intensivo e as mudanças demográficas da força de trabalho estão entre os muitos fatores que contribuíram para esta mudança. Mudanças importantes são cada vez mais necessárias para sobreviver e competir com eficácia neste novo ambiente.

Mais mudança sempre exige mais liderança.

Essas duas funções diferentes - lidar com a complexidade e lidar com a mudança - moldam as atividades características de gerenciamento e de liderança. Cada sistema de ação envolve decidir o que precisa ser feito, criando redes de pessoas e relacionamentos que podem cumprir uma agenda e, então, tentar garantir que essas pessoas realmente façam o trabalho. Mas cada um, gerenciamento e liderança, realiza essas tarefas de maneiras diferentes.

As empresas gerenciam a complexidade primeiro planejando e orçando - definindo metas ou objetivos para o futuro (normalmente para o próximo mês ou ano), estabelecendo etapas detalhadas para atingir essas metas e, em seguida, alocando recursos para cumprir com os planos.

Por outro lado, liderar uma organização para uma mudança construtiva começa definindo uma direção - desenvolvendo uma visão do futuro (geralmente o futuro distante) junto com estratégias para produzir as mudanças necessárias para alcançar essa visão.

A administração desenvolve a capacidade de atingir seu plano por meio da organização e contratação de pessoal - criando uma estrutura organizacional e um conjunto de cargos para cumprir os requisitos do plano, equipando os cargos com indivíduos qualificados, comunicando o plano a essas pessoas, delegando responsabilidade pela execução do plano e elaborando sistemas para monitorar a implementação.

A atividade de liderança, no entanto, é a de alinhar as pessoas. Isso significa comunicar a nova direção para aqueles que podem criar coalizões que entendam a visão e estão comprometidos com sua realização.

Por fim, a gestão garante o cumprimento do plano por meio do controle e da solução de problemas - monitorando os resultados versus o plano em alguns detalhes, formal e informalmente, por meio de relatórios, reuniões e outras ferramentas; identificando desvios; e então planejando e se organizando para resolver os problemas.

Mas, para a liderança, alcançar uma visão requer motivação e inspiração - mantendo as pessoas na direção certa, apesar de certos obstáculos à mudança, apelando para as necessidades, valores e emoções humanos básicos, mas muitas vezes não explorados.

Alinhando pessoas versus organização e pessoal

Uma característica central das organizações modernas é a interdependência, onde ninguém tem autonomia completa, onde a maioria dos funcionários está ligada a muitos outros por seu trabalho, tecnologia, sistemas de gestão e hierarquia. Essas ligações apresentam um desafio especial quando as organizações tentam mudar. A menos que muitos indivíduos se alinhem e se movam juntos no mesma direção, as pessoas tenderão a cair umas sobre as outras.

Os gerentes se “organizam” para criar sistemas humanos que podem implementar planos da maneira mais precisa e eficiente possível. Normalmente, isso requer uma série de decisões potencialmente complexas. Uma empresa deve escolher uma estrutura de cargos e relações de subordinação, equipá-la com indivíduos adequados às funções, fornecer treinamento para quem precisa, comunicar planos à força de trabalho e decidir quanta autoridade delegar e para quem.

Incentivos econômicos também precisam ser considerados para cumprir com o plano, bem como sistemas para monitorar sua implementação.

Mas, alinhamento é algo diferente. É mais um desafio de comunicação do que um problema de elaboração e monitoramento de planos.
O alinhamento invariavelmente envolve falar com muito mais pessoas do que a organização. A população-alvo pode envolver não apenas subordinados de um gerente, mas também chefes, colegas, funcionários em outras partes da organização, bem como fornecedores, funcionários do governo e até mesmo clientes. Qualquer pessoa que possa ajudar a implementar a visão e estratégias ou que possa bloquear a implementação é relevante.

Tentar fazer as pessoas compreenderem uma visão de um futuro alternativo também é um desafio de comunicação de uma magnitude completamente diferente de organizá-las para cumprir um plano de curto prazo.
Outro grande desafio nos esforços de liderança é a credibilidade - fazer as pessoas acreditarem na mensagem.

Muitas coisas contribuem para a credibilidade: o histórico da pessoa que entrega a mensagem, o conteúdo da própria mensagem, a reputação de integridade e confiabilidade do comunicador e a consistência entre palavras e ações.

Finalmente, o alinhamento leva ao empoderamento de uma forma que a organização raramente faz.  Ajuda a superar problema ao capacitar as pessoas de pelo menos duas maneiras: - primeiro, quando um claro senso de direção é comunicado por toda a organização, os funcionários de nível inferior podem iniciar ações sem qualquer grau de vulnerabilidade. Contanto que seu comportamento seja consistente com a visão, os superiores terão mais dificuldade em repreendê-los; - em segundo lugar, como todos estão visando o mesmo alvo, a probabilidade é menor de que a iniciativa de uma pessoa seja paralisada quando entrar em conflito com a de outra.

Compreender as diferenças entre um gerente e um líder ajuda na criação de uma cultura corporativa onde as pessoas valorizam uma liderança forte e se esforçam para criá-la. Assim como precisamos de mais pessoas para fornecer liderança nas organizações complexas que dominam nosso mundo hoje, também precisamos de mais pessoas para desenvolver as culturas que criarão essa liderança.

A institucionalização de uma cultura centrada na liderança é o ato final para a perenização no desenvolvimento da liderança na cultura organizacional da empresa.

Ler conteúdo completo
Indicados para você