[ editar artigo]

Como mudar efetivamente seu estilo de gerenciamento

Como mudar efetivamente seu estilo de gerenciamento

Se seus colaboradores não estão atuando com a performance que se esperava deles, muitas vezes cai-se na tentação de se justificar a situação de diversas maneiras, tais como: falta de motivação, problema na qualificação e/ou nas habilidades, desinteresse ou sobrecarga de trabalho, apenas para citar algumas.

Mas, como gerente, não se deve colocar simplesmente a culpa em diversos fatores que não estejam também relacionados ao perfil da gestão e simplesmente continuar com o dia-a-dia, porque a prática têm mostrado que as desculpas, muito das vezes, apontam diretamente para o estilo de gestão. 

Por exemplo, talvez haja um excesso em microgerenciamento, não permitindo que os colaboradores realmente auto gerenciem seu trabalho. Talvez se esteja controlando e tomando decisões sem considerar a visão, o entendimento e as opiniões da equipe, ou talvez não se esteja provendo treinamento suficiente, o que leva a equipe a cometer vários erros ou tomem decisões ruins, baseadas em pouca ou na má qualidade de informações, dados e fatos.

Uma vez que se perceba situações como as citadas acima, é hora de se conscientizar de que algo tem que ser mudado e deve-se começar com você, o gestor. 

A questão é que não há um guia pronto e único para mudar um estilo de gestão. Será preciso identificar o que mais precisa ser feito (coaching e treinamento) e trabalhar isso no dia-a-dia. Mudar um estilo de gerenciamento não é fácil — mas acredite, vale a pena no final. 

Aqui estão quatro sugestões para se preparar melhor, considerando também que todos os envolvidos se beneficiarão a longo prazo, não somente você, na condição de gestor.

Sua equipe poderá questionar os novos caminhos

Para se tornar um gerente mais eficaz, comece focando mais no coaching. Num primeiro momento, talvez surjam alguns descontentamentos, pois a equipe, até então, estava acostumada com a maneira "antiga" de liderança dos últimos tempos e não enxergavam a necessidade de mudanças na forma de se trabalhar e de se relacionar profissionalmente.

É preciso considerar seriamente os questionamentos deles. Não há a necessidade de se fazer um grande anúncio de que se está tentando mudar a forma de gestão, mas também não caia na tentação de se ater a somente uma pequena explicação, pois isto pode levar a um longo caminho para conseguir que os envolvidos se sintam bem vindos a bordo. Responda honestamente às perguntas da equipe. 

Há uma razão lógica para toda e qualquer mudança que se está fazendo, então, não deixe que as perguntas leve você a duvidar de si mesmo ou do seu novo estilo.

Não se deve esperar por resultados imediatos

Com isso em mente, é importante lembrar que a mudança não vai acontecer imediatamente.

Quando se começa a treinar uma equipe, pode-se vivenciar algum tipo de desconforto para ambas as partes. Podem surgir algumas incertezas em relação a como se iniciar sessões de crítica construtiva e alguns colaboradores podem se mostrar um pouco resistentes a ouvir ativamente. 

Mas apesar de quão estranho e desanimador pode parecer avançar, continue! 
Continue se esforçando para estar menos envolvido em detalhes das tarefas, para ser mais empoderador,  menos arrogante, independente da mudança que se esteja buscando. 

A mudança é difícil e, principalmente, para aquelas equipes que estavam mais profundamente  enraizadas em seus próprios modos de ser e de fazer as coisas, pode levar mais tempo do que se esperaria, para obter os benefícios procurado pelas mudanças.

Quando se atinge a fase em que a equipe pare de suspirar com exasperação,  começar-se-á a ver resultados. E vai valer a pena esperar, acredite.

Será tentador voltar aos seus velhos costumes.
É importante ficar constantemente ciente do seu progresso pessoal, como gestor. Se você olhar para o cotidiano de trabalho e perceber que está voltando aos velhos hábitos, é hora de buscar por ajustes ou mesmo de se re-motivar, para voltar aos trilhos.

Tem que haver disposição para se adaptar
Considere que mesmo que se esteja trilhando o caminho correto, mas os novos métodos ainda não mostram melhoras em relação à performance da equipe, ter-se-á que repensar a abordagem, mais uma vez.

A medida que se inicia na mudança, crie algumas maneiras de medir o sucesso da empreitada. 

Algumas métricas podem ser relativamente subjetivas, p.ex.: seus colaboradores têm se mostrado mais felizes? Eles estão fazendo mais e produzindo com melhor qualidade? 

Considere que números sólidos e dados são incrivelmente valiosos, p.ex., quantas reclamações de clientes você está recebendo agora em comparação com antes de se fazer a mudança? Houve uma mudança na taxa de rotatividade de funcionários?

Uma vez que se tenha uma compreensão firme sobre como exatamente o novo estilo de gestão está afetando a equipe, ter-se-á uma ideia melhor de como seguir em frente (ou seja, se os novos métodos estão mesmo funcionando ou se eles precisam de um pouco mais de ajuste).

A mudança vai acontecer, ainda que às vezes, no início, se mostrará um pouco doloroso — para você e seus colaboradores — durante o processo. Mas se você se comprometer, de fato, com o novo estilo de gestão, notar-se-á com o tempo, melhorias por toda parte.

João Francisco Amâncio de Moraes
AQC - Otimizando Processos
http://bit.ly/AQCwix

Polo de Liderança Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você