[ editar artigo]

Hábitos tóxicos da liderança

Hábitos tóxicos da liderança

O dia a dia empresarial tem sido avaliado por muitos especialistas. Nota-se que a liderança é uma posição muito delicada para quem a ocupa. Tomar decisões e assumir riscos, são características muito valorizadas e de fato, são jóias raras de se encontrar. 

As mudanças no cenário mundial demonstram que liderar é calcular risco. Não é possível deixar que o medo de errar paralise a sua jornada rumo ao sucesso. Mas também, não é aceitável que pessoas em posição de liderança não puxem a responsabilidade para si. 

Saber trabalhar em equipe é algo fundamental, uma das Soft Skills mais solicitadas do momento, é uma habilidade que todos precisam desenvolver. Um ponto interessante para observar é que a equipe é o reflexo do líder, portanto, não adianta falar mal ou subjugar os seus liderados, eles certamente apresentarão uma performance a sua altura.

Uma cultura empresarial que reflete um líder que tem o mal hábito de “terceirizar a culpa dos erros” e não assume para si o sucesso ou fracasso da equipe, demonstra uma dificuldade em aprender com os erros. Essa resistência e medo de errar, dificulta o andamento da empresa rumo à inovação e, mais do que isso, impede os próprios colaboradores de se desenvolverem e crescerem em suas carreiras.

Quem busca crescer e aprende observando, sabe que o momento atual é um excelente laboratório para treinar, o mundo está vivenciando momentos de grande instabilidade, volatilidade e fragilidade, quem se colocar em posição de aprendiz para extrair disso sabedoria empresarial, certamente terá um ganho exponencial. Em situações como essa é fundamental abrir espaço para grandes inovações, experimentações e melhorias contínuas, essa postura pode fazer com que a empresa atinja um outro patamar tanto no quesito de cultura, quanto de resultados e eficiência em processos.

É papel da liderança conduzir para o melhor caminho. E para que isso aconteça, duas coisas são fundamentais: 

  1. Autoconhecimento para perceber onde errou.

  2. Maturidade para admitir o erro.

Portanto, agora mais do que nunca, é momento de buscar a direção certa, mais do que ser veloz, é preciso ser assertivo na direção, porém, quando erramos e rapidamente corrigimos uma deficiência no processo, mais aprendemos, dessa forma é possível consolidar processos e criar novas estratégias baseado na experiência adquirida. Ser líder pode até parecer solitário, porém, tente considerar a sua equipe como parte do processo e esse sentimento certamente se dissipará. 

Polo de Liderança Sebrae
Nadia Cristina Benitez
Nadia Cristina Benitez Seguir

Nadia Cristina Benitez Psicopedagoga Institucional Life Coach; Pós graduada em Neuropedagogia na Educação; Pós graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional; Fundadora e desenvolvedora do Método Ginástica do Cérebro;

Ler conteúdo completo
Indicados para você